logotipo medievalista

 
   
 
Número 21 | Janeiro – Junho 2017 ISSN 1646-740X
 

logo IEM


TODOS OS NÚMEROS /
PREVIOUS ISSUES


EDIÇÃO / EDITORS

CONSELHO EDITORIAL / ADVISORY BOARD

ARBITRAGEM CIENTÍFICA 2016 / PEER REVIEWING 2016

WEB DESIGNER


CONTACTOS / CONTACTS

INSTRUÇÕES AUTORES /
AUTHOR’S INSTRUCTIONS


REVISTAS INTERNACIONAIS / RELATED PUBLICATIONS

CALL FOR PAPERS


A Revista Medievalista encontra-se incluída:
Latindex
Dialnet
Revues.org
DOAJ
ERIH Plus
SciELO
logo scielo


ISSN 1646-740X

logo FCSH

A Revista Medievalista é um Projecto desenvolvido com o apoio da

fct


 

 

 

 

Da valorização da diversidade à desejável estabilidade na investigação científica

 

A Redacção

TEXTOCITAÇÃO imprimir PDF imprimir mail indice
 
 

O presente número da Medievalista OnLine dá continuidade à orientação que desde o seu nascimento tem sido seguida, acolhendo trabalhos de temáticas diversificadas, de autores com posições historiográficas distintas e oriundos de países, tradições linguísticas e inserções institucionais muito variadas. Este pluralismo, que constitui uma marca genética da nossa revista, tem sido fundamental para continuar a atrair leitores e, sobretudo, autores nacionais e estrangeiros que submetem artigos seus para publicação. Isso mesmo fica de novo bem patente neste número da Medievalista.

De facto, procurando contrariar uma forte endogamia que costuma estar associada entre nós a publicações periódicas de carácter historiográfico, a grande maioria dos investigadores que se propõem publicar na Medievalista não integra o Instituto de Estudos Medievais (IEM). Mas reconhece-o, bem como à sua revista, como entidade credível para a divulgação dos resultados da respectiva investigação. É o que ocorre com os Artigos inseridos neste número, da autoria de José Alberto Morais Morán sobre o culto medieval de Santo Adrião e Santa Natália em Roma, León e Lisboa, de Carina Zubillaga sobre políticas e poéticas da memória em Castela, de Raimundo Sousa sobre monstros na representação geográfica, de Bruno Marconi da Costa sobre os mesteirais de Lisboa no século XIV e de Douglas Mota Xavier de Lima sobre o casamento do infante D. Pedro. A secção de Recensões inclui a apreciação de três livros recentes, a de Apresentação de Teses dá conta de uma dissertação de doutoramento defendida há poucos meses sobre Palmela, e, finalmente, a Varia informa sobre diversos encontros científicos de estudos medievais, organizados ou não pelo IEM, e que encontram na Medievalista um acolhimento entusiasta para a sua divulgação.

A vitalidade dos estudos medievais, de que a nossa revista é uma parte integrante, não parece, pois, estar ameaçada. Mesmo se se mantém um amargo de boca motivado por alguma desilusão sobre as condições da investigação científica entre nós, nomeadamente no que se refere às Humanidades e às Ciências Sociais. A falta de renovação das gerações de investigadores, a instabilidade e a precariedade do quadro em que continua a ser feito o trabalho científico em Portugal atingem universidades, centros de investigação e investigadores individuais. Alguns dos esperançosos anúncios públicos feitos por responsáveis pela política científica nacional, no sentido de começar a alterar a situação reinante com uma progressiva estabilização do sistema e com uma perspectiva de consolidação de equipas e de estruturas a médio e longo prazo, chocaram com a notícia do adiamento dos resultados dos concursos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia para a atribuição de bolsas de doutoramento e pós-doutoramento. Esses resultados, que deveriam ter sido conhecidos em Outubro passado, foram protelados para o final de Fevereiro de 2017. Este adiamento, só por si, é um mau princípio, pois além de frustrar expectativas entre os candidatos e as entidades de acolhimento, relança e prolonga o clima de instabilidade e mesmo de desconfiança acerca do que será o financiamento público nesta área.

Esperemos que algo de semelhante não se verifique com o novo processo de avaliação e classificação das Unidades de Investigação, com vista à sua dotação financeira, processo esse que se prevê venha a decorrer em 2017. Que ao menos esta nova avaliação possa ser substancialmente simplificada na sua componente burocrática e, sobretudo, que não se arraste no tempo com alterações processuais nem com mudanças de critério, como ocorreu num passado recente e que importa não repetir.

 

florao cinz COMO CITAR ESTE ARTIGO topo home
   
 

Referência electrónica:

“Editorial: Da valorização da diversidade à desejável estabilidade na investigação científica”. Medievalista [Em linha]. Nº 21 (Janeiro-Junho 2017). [Consultado dd.mm.aaaa]. Disponível em http://www2.fcsh.unl.pt/iem/medievalista/MEDIEVALISTA21/editorial2101.html

ISSN 1646-740X

florao cinz   topo home
   
 

Creative Commons License
"Editorial: Da valorização da diversidade à desejável estabilidade na investigação científica" by Redacção Medievalista [online] is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.