some_text

Real Tuna Académica Neolisipo
         
   
       
   
     
 

Foi na noite de 21 de Novembro de 2001, que alguns alunos da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa se reuniram numa das salas da torre principal (que está presente no símbolo) para dar corpo a um projecto há muito ansiado por todos - a constituição e implementação de uma Tuna Mista.

A constituição deste grupo fundador foi impulsionada por um dos tunos da, infelizmente, famigerada e mal sucedida Tuna do Caneco. Este, com a colaboração fervorosa e empenhada de um caloiro que transportava consigo o mesmo espírito de fundar um grupo deste género, deram início às diligências necessária para levar a “bom porto” um projecto que viesse, na opinião deles, colmatar, de certa forma, a falta de algum espírito e tradição académicas que se verificava nesta faculdade.

Conseguiram reunir então uma série de estudantes que partilhavam entre si, tanto no que respeita à música, como no que respeita à tradição académica, os mesmos ideais. Durante o primeiro ano, tempo de preparação para a maior parte dos, agora, fundadores, a Tuna da FCSH enfrentou um período de turbulência. Já em 2002 e com a entrada de novos estudantes para a faculdade e a adesão de caloiros ao projecto singular que é a Tuna da FCSH, esta conheceu novo fôlego.

Foi nessa altura que, reunidos no Real República – Parque das Nações, quatro dos fundadores, trouxeram à luz o nome – Real (Tuna Académica) NeOlisipo – “Real”, alusão ao local onde surgiu o nome da tuna, “NeOlisipo”, referência conjunta à nossa universidade (Universidade Nova de Lisboa – Neo) e à cidade que orgulhosamente representamos (Lisboa - Olisipo).

Depois de um período de afirmação e solidificação de laços estruturais e humanos, entre 2002 e 2004, a tuna entrou numa nova fase, que se estendeu entre 2005 e 2006, caracterizada por ter poucos elementos nos seus quadros, todos eles com formação musical de base, ou possuidores de conhecimentos médios adquiridos a posteriori, fase esta que coincidiu com o abandono dos fundadores e da grande maioria dos Tunos.

Entre 2006 e Março de 2008 a Tuna viveu o seu momento mais conturbado. Ao abandono do grande "Mephisto" Vasco e à saída (que se viria a verificar temporária) da Coordenadora Musical, Maria José Viana, juntou-se o facto de não terem chegado caloiros, nem caloiras. O fim esteve à vista.

Após Março de 2008, apesar do abandono do grande "Erasmus" Pinto, que continua a ajudar-nos à distância, a Tuna entrou num período de paz, que é como quem diz sem convulsões, fora do limbo, que culminou com a admissão de 8 caloiros, com o regresso (em boa hora) da Maestrina/Coordenadora Musical Maria José Viana ao leme da Tuna e do grande acordeonista "Dentinho" Lopes.

Presentemente, contamos com 18 elementos e estamos a constituir a Tuna como Associação Cultural, procurando deste modo ligarmo-nos de forma cada vez mais estreita e legal à Faculdade que nos acolhe. Assim, afirmamo-nos como mais uma oferta cultural para os Alunos da FCSH-UNL.

Queremos continuar com o espírito de amizade, lealdade e salutar convivência que foi surgindo com o passar do tempo e dar a conhecer a todos a nossa música.

Saudações Académicas.